terça-feira, 21 de abril de 2009

Bibliografia

Aqui desejo esclarecer através deste artigo, o qual intitulei bibliografia, que todo presente conteúdo é fonte de estudo e pesquisa. Como também não sou plagiador dos direitos autorais de quem quer que seja, pois a todos os textos me refiro à fonte de origem . Na verdade o meu blog é fruto de minha experiência no Karate-Do e artes marciais como estudante, pesquisador e praticante, cuja finalidade é apresentar ao público leigo e a todos que estudam e praticam Karate uma forma de estudar, pesquisar e praticar o Karate. Com o intuito e a esperança de que todos como eu, tenham o desejo de aprender, guardar e vivenciar o verdareiro e real Karate. Quando me refiro ao verdadeiro e real Karate, quero dizer o quanto é necessário buscar informação daquilo que buscamos aprender, até porque o Karate não é exclusividade de um grupo, povo ou quem se ache possuidor do Karate-Do. O que estou querendo exclarecer é que você tem a liberdade de cultivar o Karate-Do como o seu modo de vida . Para que você iniciante ou ainda praticante adiantado não seja seduzido pela promoção oportuna de alguns que às vezes se dizem serem mestres. Porque é do conhecimento de todos nós que existem estilos de Karate, dos quais não direi o nome por questão ética, não possuem o devido status de reconhecimento. Como também criam até formas sem sentido e nexu algum, como kata por exemplo, e agregam inúmeros seguidores, que por sua vez , tais pessoas praticantes desses estilos acabam perdendo todo o tempo de sua vida com algo que não terá funcionalidade alguma. Ainda os advirto que não somente no Karate, mas também em outras artes marciais tem ocorrido o mesmo. Todos os artigos aqui redigidos tem sua fonte em parte escrita com a minha experiência, a qual recebi de todos os mestres que tive. Por conseguinte com meu estudo, pesquisa e prática consultei outros autores de renome mundial. Porque em arte marcial precisei crescer tanto física quanto emocional e espiritualmente. Somente deste modo você será um verdadeiro praticante de arte marcial. Todo budoka no oriente estuda e pesquisa artes marciais para seu aperfeiçoamento em todos os níveis no que se refere em técnica, mente e filosofia. Pois por essa razão existem inúmeras literaturas dirigidas às artes marciais, cujo objetivo é dar orientação tanto para o leigo quanto para o praticante adiantado. A arte marcial é como uma disciplina qualquer, a qual você pode estudar e quando somos bem orientados por bons mestres teremos bons resultados. O meu sensei Oswaldo Duncan por exemplo, na década de 80, foi um dos melhores autores que na época escreveu bons livros com o próposito de informar ao público leigo o real e verdadeiro Karate. Que por sinal fez muito sucesso pelo Brasil e América do Sul afora. E até hoje como livro de Karate a nível nacional conquistou a todos aqui no Brasil. Os livros de Oswaldo Duncan são: Karate sem Mestre para Principiantes, Karate sem Mestre Adiantado, Karate Kata, Karate como Defesa Pessoal e tantos outros livros. No entanto, é possível que alguns livros de Oswaldo Duncan estejam fora de catálogo. Aqui se segui uma bibliografia recomendada: Karate Dinâmico e o Melhor do Karate de Masatoshi Nakayama, vol. 1 ao 11; Aikido e a harmonia da naturaza de Mitsugi Saotome; Aikido Técnica e Filosofia de Ernesto Cohn; Enciclopédia dos Samurai de Stephen Turnbull; Segredos do Budo de John Stevens; A Arte da Guerra Por uma Estratégia Perfeita de Sun Tzu; Karate-Do o Meu Modo de Vida de Gichin Funakoshi; O Zen na Arte da Cerimônia do Chá de Horst Hammitzsch e Budo no Jitten - dicionário técnico de artes marciais japonesa de José Grácio Gomes Soares. Esses e tantos outros livros podem nos ajudar a aprender muito em diversos aspectos. No entanto, há coisas que você só aprenderá com a experiência no dia-a-dia quando estiver práticando no dojo. Saiba que muito do conhecimento em arte marcial no passado eram segredos para poucos escolhidos e somente para os seus descendentes, ou seja de pai para filho. Alguns mestres tinham anotações de suas habilidades e segredos técnicos que jamais compartilhariam com qualquer um. E graças a iniciativa de alguns mestres como Gichin Funakoshi, Masatoshi Nakayama e muitos outros é que todos nós tivemos acesso à informação de muitas coisas. Masatoshi Nakayama por exemplo, na série o melhor do Karate, volume 3 e 4 sobre kumite, ele nos brinda com segredos de estratégia e táticas que eram restritas somente às escolas de antigos mestres. Outrora jamais você teria a chance de receber esses conhecimentos. Portanto vamos aproveitar as oportunidades de nossos mestres em nos ensinar tudo que sabem e de tudo que a literatura marcial tem a nos oferecer. Como Karateka estudante da escola shotokan não estou limitado a estudar somente o meu estilo, mas também outros estilos de Karate e ainda outros sistemas de artes marciais, pois tudo isso enriquece o nosso saber.

Rogério Santos Sensei





sábado, 18 de abril de 2009

O Jiyu Kumite

O jiyu kumite é um método de treinamento no Karate em que aplicamos na prática todas as técnicas de defesa e ataque aprendidas e contidas no kata. Nessa forma de treinamento os oponentes se encontram frente a frente. Ainda que se enfatize a importância do treinamento e aperfeiçoamento do kata para o jiyu kumite não será o suficiente. O estudo dos fundamentos e prática do kata são o requisito principal para o aperfeiçoamento do jiyu kumite. Se ao praticarmos o kata as técnicas forem executadas sem naturalidade ou de maneira forçada, a postura será desajeitada. Consequentemente aplicando essas técnicas de maneira confusa, o jiyu kumite não será aperfeiçoado. Em outras palavras, o aperfeiçoamento do jiyu kumite depende diretamente do progresso em fundamentos e kata, pois kata e jiyu kumite estão interligados. Saiba que é um erro enfatizar um em detrimento do outro, pois em jiyu kumite você precisa ter sempre isso em mente. Se você não dá importância ao treino dos fundamentos de técnicas básicas juntamente com o kata, com certeza de nada adiantará você iniciar o jiyu kumite de maneira prematura. Porque você poderá encontrar alguém que treinou fundamento e kata com profunda seriedade. Certamente tal praticante estará muito mais preparado que você, dotado de técnicas mais apuradas, as quais foram adquiridas com treinamento dedicado. Com certeza um treinamento assim lhe dará suporte técnico se você adotar seriedade mortal, pois é isso mesmo, seu treinamento tem que ser encarado dessa forma. Como se a sua vida dependesse disso para sobreviver e quando falo em seriedade não estou falando em shiai kumite. Aqui não pretendo falar do karate esportivo, mas sim do Karate arte marcial, cuja finalidade é preparar o indivíduo para as situações de defesa pessoal, pois esse é o objetivo principal do Karate-Do. É totalmente contraproducente quando iniciamos alunos prematuramente no jiyu kumite. E o que é pior ainda iniciar o aluno em competições sem o mínimo de conhecimento técnico. Porque na verdade o principiante não está pronto para estar frente a frente com o oponente. Em minha experiência ministrando Karate sempre procuro investir em meus alunos no estudo dos fundamentos e kata, de maneira que possam estar prontos para o jiyu kumite. Se você está praticando jiyu kumite precisa usar de todos os recursos como bloqueio, golpe, soco e chutes devidamente aperfeiçoados. Se você é atacado por um oponente, intercepte o ataque com um bloqueio adequado ao ataque. Em jiyu kumite não fique saltitando ou pulando diante de seu oponente se ajuste ao ataque de modo preciso. Aprenda a bloquear o ataque de seu adversário antes que ele finalize, de tal modo que você possa mesclar bloqueio e ataque em uma única ação. Surpreenda o seu oponente estude estratégia e tática, faça de cada momento oportuno a sua chance de executar toda a sua habilidade de maneira plena. Observe que cada kata sempre começa com shizen tai (postura natural) seguido da primeira técnica que sempre é o bloqueio. Quando estudamos Karate sempre nos ensinaram a usar o kamaekata ( postura de prontidão), pois é necessário para que você esteja pronto para se defender, porém isso se refere ao treinamento sistemático; sem o qual para o principiante é indispensável. Um dos vinte princípios do Karate ensinado por Gichin Funakoshi, décimo sétimo princípio, é que em Karate não existe kamaekata ( postura de prontidão). Porque é na postura shizen tai que você tomará a postura defensiva necessária para se defender ou lutar. O kamaekata é para os principiantes e com o tempo adota-se shizen tai (postura natural). O seu kamaekata está na sua mente calma e serena, nada esperando e a tudo reagindo, pois isso é zanshin (estado de alerta constante) o que todo praticante de Karate precisa desenvolver. Não tem sentido algum você está frente a frente com o oponente e ficar cercando em volta do mesmo sem ao menos saber desenvolver a sua defesa. Advirto que você estude, pesquise e pratique tudo que se refira às técnicas básicas no kihon e aplicando às mesmas os fundamentos, os quais como por exemplo tai sabaki ( esquivar-se do oponente sem que ele toque você e ao mesmo tempo você o golpeie), yori ashi (deslocamento dos pés ao mesmo tempo) e fumidashi (deslizamento dos pés). Esses e tantos outros fundamentos são encontrados no kata. Portanto somente os efeitos cumulativos da prática constante nas técnicas básicas e no kata mostrarão seu desempenho quando você tiver pronto. Aqui deixarei um vídeo da primeira parte do filme "retroceder nunca, render-se jamais", no qual você verá uma verdadeira demonstração de jiyu kumite com técnica apurada brilhando em toda sua perícia. Observe que esse filme começa com todos treinando técnicas básicas e em seguida kihon ipon kumite. Procure captar a essência do Karate entre os dois karatekas durante o jiyu kumite. Veja o uso de bloqueios, golpes, socos e chutes. É nesse sentindo que o nível do jiyu kumite deve ser alcançado. O kata é a essência do Karate-Do e por sua vez é a chave para um bom jiyu kumite altamente desenvolvido pelo estudo e aplicação das técnicas básicas.
Por Rogério Santos sensei 4º dan em Karate shotokan
A fonte deste artigo está em "O Melhor do Karate vol. 3 e 4, Masatoshi Nakayama.
video



quarta-feira, 8 de abril de 2009

Mestre Oswaldo Duncan


O presente artigo que agora escrevo é uma homenagem ao mestre Oswaldo Duncan de Aguirre, não poderia deixar passar essa oportunidade, afinal de contas foi meu sensei na década de 80. Oswaldo Duncan Sensei lecionava naquela época na Universidade do Estado do Rio de Janeiro, sendo responsável pela Cadeira de Karate do Instituto de Educação Física e Desportos, cuja Universidade se localiza na Rua São Francisco Xavier, 524 no Bairro Maracanã. Além da universidade também ministrava Karate na Associação Scholem Aleichem Cultura e Recreação (A.S.A), na Rua São Clemente, 155 no Bairro de Botafogo. Oswaldo Duncan Sensei foi um homem de temperamento dócil e energia serena, cujas características combinavam com a sua vocação pedagógica; pois me lembrava Gichin Funakoshi. Como sabemos Gichin Funakoshi também era professor e lecionava em escola na ilha de Okinawa. Gichin Funakoshi Sensei aliava sua técnica com sua formação pedagógica, motivo pelo qual seu Karate foi largamente aceito no Japão. O que sinto hoje será uma eterna gratidão ao Oswaldo Duncan Sensei, o qual através do Karate me conduziu por um caminho nobre e honrado. Porque através dos seus ensinamentos me guiou ao aperfeiçoamento do caráter e me ensinou também a importância de trabalhar o meu temperamento. Como ele costumava nos ensinar que nós deveríamos educar o nosso instinto agressivo, o qual está presente em todos nós quando nascemos, seja em grau maior ou menor variando de indivíduo para indivíduo. Porque devido à nossa natureza humana costumamos ter reações imprevisíveis que poderão se desencadear de acordo com as circunstância do dia-a-dia. Por tudo nesse mundo os homens entram em conflito e consequentemente acabam em confronto. E como ele sempre dizia:" a única coisa que estabelece uma dosagem na agressividade é a autoconfiança, o que falta na maioria dos homens". Com certeza isso é a mais pura verdade quando o homem permite ser escravo de seus instintos, de modo que às vezes acaba se comportando como um animal. No entanto, nem a ferocidade dos animais é descontrolada - como é observado pelos especialistas - pois os animais somente são ferozes quando precisam lutar ou buscar alimento, ou ainda defender o seu território. Mas quanto a nós como espécie humana precisamos educar a nossa natureza como seres racionais e pensantes que somos. E através de Oswaldo Duncan Sensei acabei amando o Karate como um modo de vida, cuja arte me deu inspiração para que eu acreditasse em mim mesmo. Em Karate me tornei um cavalheiro gentil e dócio, com o compromisso de ser para a sociedade uma pessoa melhor. Como Oswaldo Duncan Sensei dizia e como sempre gosto de dizer a todos quantos amo. "Vivenciar cada dia na certeza de que o mundo estará ao nosso lado enquanto nós pudermos oferecer o que há de melhor em nós como pessoa". O que sinto falta nos dias de hoje são mestres como Oswaldo Duncan Sensei e tantos outros que não se encontram mais entre nós. Infelizmente têm sido raro encontrar mestres como esses em nossos dias. Naquele tempo vi o Karate ser levado mais a sério por todos que treinavam, pois todos tinham bons mestres. Não quero dizer que hoje em dia não haja mais bons mestres, porque ainda existem os remanescentes os quais foram frutos desses bons mestres, é claro. Mas nos dias de hoje a muita promoção e eventos com o único propósito de estragar o Karate. São na verdade os descompromissados com a nobreza de ideais e valores, que deveriam ter a finalidade de formar o caráter de todo ser humano. Aqui eu deixo a minha homenagem ao mestre que me ensinou a amar e respeitar à vida e ao próximo. Oswaldo Duncan Sensei é para mim fonte de inspiração para prosseguir o caminho das mãos vazias guardando e observando o espírito do Karate. Também gostaria de agradecer a Ana Cristina de Aguirre, filha de Oswaldo Duncan Sensei , por ter cedido gentilmente uma fotografia de meu sensei para que eu pudesse escrever esse artigo. Como disse *Muniz Sodré, uma certa vez, Oswaldo Duncan é, além de tudo isso, um excelente amigo - desses que *cavalgam ventos e tempestades.

Por Rogério Santos Sensei 4º dan em Karate Shotokan

*Muniz Sodré, professor-adjunto da Universidade Federal Fluminense e professor assistente da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

*A expressão cavalgar ventos e tempestades - a qual se refere Muniz Sodré a Oswaldo Duncan - é uma aluzão à expressão que circulava na China tradicional. Porque assim eram conhecidos os bravos praticantes de artes marciais no passado.

sexta-feira, 3 de abril de 2009

Bonsai













Quando pensamos em bonsai, sempre vem à nossa mente o Japão. No entanto, a sua origem é chinesa, pois o seu cultivo começou com os chineses. Afirma-se que 200 anos depois de Cristo os chineses cultivavam plantas envasadas, as quais eram conhecidas como penjing, como prática habitual em sua atividade de jardinagem. Um bonsai deve possuir qualidades idênticas a uma árvore de tamanho normal. O bonsai precisa ser uma réplica artística perfeita de uma árvore natural em miniatura. Deve exibir as mesmas características de uma árvore normal, como no seu crescimento e os efeitos da gravidade no seus galhos, marcas do tempo e a estrutura geral dos galhos. O bonsai é uma arte produzida pelo homem através de cuidados especiais. Aqui no ocidente o interesse em cultivar bonsai como hobby tem crescido bastante e hoje essas árvores tem conquistado o seu espaço em vários paízes. O interesse pelo bonsai é partilhado com a crescente atenção dada às artes orientais nos últimos anos. Não é um hobby puramente exótico, no qual o cultivo de árvores em miniaturas seja apenas apreciado, mas o gosto pela arte que é por si só muito mais complexa do que a jardinagem comum aplicada a plantas em vasos. Porque a diferença básica é o cuidado para reproduzir as características de uma árvore com porte muito maior em uma árvore de tamanho diminuto. O crescimento das árvores é controlado pela aplicação de várias técnicas, como a restrição do crescimento das raízes pelo vaso utilizado. As árvores naturais não possuem restrição na natureza, pois elas crescem livremente. A poda das raízes, dependendo da idade e especie da árvore, em geral são podadas no inverno, pois a planta está em estado de dormência e é realizada a troca de terra (substrato).A arte do bonsai é muito mais do que podar e adubar, é necessário muita paciência e criatividade artística. No que se refere à criatividade artística você deve tirá-la do seu coração. Mas antes de extrair do seu coração toda inspiração, é necessário aprender os fundamentos da arte de produzir o bonsai com um bom expert no assunto. Somente assim depois de se conhecer os segredos da arte é que você estará pronto para usar de toda sua inspiração. Assim acontece com muitos dos caminhos japoneses que possuem o caractere "Do", o qual tem o sentindo de caminho para o aperfeiçoamento do caráter e crescimento no aspecto bio, psico, social e espiritual. No caminho (Do) você deve aceitar a forma proposta pelo mestre da arte em questão, ou seja, seguir o modelo de caminho indicado pelo mestre. Como exemplo, temos o Karate-Do com sua forma sistemática de treinamento orientada pelo mestre. No Karate-Do, o discípulo depois de aprender por um longo tempo desenvolverá a sua forma de luta pessoal, se tornando o homem Karate (o homem de mãos vazias), pois ser o homem Karate tem um significado muito mais profundo. Então quando você adquirir experiência terá se aproximado da verdade sobre si mesmo através do treino do Karate-Do. Possívelmente você poderá transcender sobre o mundo material,ou seja, não será demasiado apegado às coisas materiais e terá uma reflexão da essência do Karate-Do . Seja cultivando bonsai ou praticando Karate-Do é no seu coração que está o seu talento artístico - se expressando como artista marcial - você produz a sua forma, o seu estilo e arte. Karate -Do e bonsai tem muito em comum, pois seguem o mesmo caminho.

Por Rogério Santos Sensei